Perfil epidemiológico do consumo de álcool entre acadêmicos do curso de ciências biológicas em Ribeirão Preto- SP

Main Article Content

Matheus William Moschegni Baia
Gabrielli Dayana Suemitsu
Lana Marini Fernandes
Rafaela Fernanda Ferreira
Lucila Costa Zini Angelotti
Soraya Duarte Varella

Resumo

Desde o período Neolítico, o álcool parece estar presente em todas as sociedades. Nos anos 50, a dependência alcoólica passou a ser considerada como uma doença e mais tarde foi adicionada à classificação internacional de doenças, devido ao seu maior impacto na saúde pública. Enquanto os países desenvolvidos exibem uma maior taxa de consumo de álcool, os países em desenvolvimento tendem a mostrar um maior número de mortes associadas a doenças causadas pelo álcool. A Organização Mundial da saúde (OMS) aponta para o álcool como a principal causa de morte entre os jovens brasileiros entre 15 e 19 anos. Este estudo teve como objetivo descrever as características epidemiológicas do consumo de álcool entre estudantes de um curso de ciências biológicas. Utilizou-se um questionário para coleta de dados de 83 alunos. Foram utilizados estatística descritiva, teste t de Student e teste qui-quadrado para análise dos resultados. Não foi encontrada diferença entre o consumo alcoólico em homens e mulheres. 15,66% dos alunos entrevistados, muitas vezes, perdem aulas depois de beber. A idade média de início para o consumo de álcool foi de 16 anos, e 45% dos estudantes bebem pelo menos uma vez por semana. O consumo de álcool entre estudantes de ciências biológicas é alto e está relacionado à interação social, liberdade e felicidade. Aqueles que bebem começam em uma idade adiantada, e não há nenhuma diferença no hábito etilista entre homens e mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Moschegni Baia, M. W., Suemitsu, G. D., Fernandes, L. M., Ferreira, R. F., Angelotti, L. C. Z., & Varella, S. D. (2020). Perfil epidemiológico do consumo de álcool entre acadêmicos do curso de ciências biológicas em Ribeirão Preto- SP. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 23(1), 71-84. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2020.v23i1.775
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Matheus William Moschegni Baia, Centro Universitário Barão de Mauá

Dicente em Ciências Biológicas  

Gabrielli Dayana Suemitsu, Centro Universitário Barão de Mauá

Dicente em Ciências Biológicas  

Lana Marini Fernandes, Centro Universitário Barão de Mauá

Dicente em Ciências Biológicas  

Rafaela Fernanda Ferreira, Centro Universitário Barão de Mauá

Dicente em Ciências Biológicas  

Lucila Costa Zini Angelotti, Universitário Barão de Mauá

Mestradoem ciencias e em matematica 

Soraya Duarte Varella, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutorado em Análises Clínicas

Referências

ANDRADE, A. G.; ANTHONY, J. C.; SILVEIRA, C. M. Álcool e suas consequências: uma abordagem multiconceitual. Barueri, SP: Minha Editora, 2009.

BRASIL. Constituição (88). Lei nº 13106. De 17 de março de 2015. Brasília, 17 mar. 2015. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13106.htm>. Acesso em: 15 nov. 2018

CALLEGARI-JACQUES, S. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed. 2003.

CASTAÑO-PEREZ, G. A.; CALDERON-VALLEJO, G. A. Problems associated with alcohol consumption by university students. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 22, n. 5, p.739-746, out. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692014000500739&lng=en&tlng=en>. Acesso em: 31/10/2018.

Estadão Conteúdo. Consumo de álcool aumenta 43,5% no Brasil em dez anos, afirma OMS. 2017. Disponível em: <https://istoe.com.br/consumo-de-alcool-aumenta-435-no-brasil-em-dez-anos-afirma-oms/>. Acesso em: 13 set. 2018.

FAR, A. C.; JEREZ, M. J.; MOYÁ, M. À. D. Conductas de riesgo de jóvenes turistas españoles de vacaciones en Mallorca e Ibiza: consumo de alcohol, drogas y otros riesgos para la salud. Revista Española Drogodependencias, Palma de Mallorca, v. 2, n. 36, p.137-148, fev. 2011.

JEROME, J. H. The concept of dependence: historical reflections. Alcohol Health & Research World, v. 17, n. 3, p. 188-190, 1993. Disponível em: < https://search.proquest.com/openview/bfe3b48dcfcec98638abceb21a4128a2/1?pq-origsite=gscholar&cbl=48866>. Acesso em: 31/10/2018.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 311 p. Disponível em: <http://docente.ifrn.edu.br/olivianeta/disciplinas/copy_of_historia-i/historia-ii/china-e-india/view>. Acesso em: 08 ago. 2018.

LANDIM, G. S. A cultura do álcool. 2015. Disponível em: <http://lounge.obviousmag.org/acido_teste/2015/03/a-cultura-do-alcool.html>. Acesso em: 15 maio 2018.

MCGOVERN, P. E.; FLEMING, S. I.; KATZ, S. H. The origins and ancient history of wine. Amsterdam: Gordon And Breach, 1996. 400 p.

MENDONÇA, A. K. R. H.; JESUS, C. V. F.; LIMA, S. O. Fatores Associados ao Consumo Alcoólico de Risco entre Universitários da Área da Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, Aracaju, v. 42, n. 1, p.207-215, jan. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022018000100207&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 31 out. 2018.

MONTI, P. M. et al. Adolescence: booze, brains, and behavior alcoholism. Clinical and Experimental Research. Denver, v. 29 n. 2, p. 207-220. fev. 2005. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/acer.2005.29.issue-2/issuetoc>. Acesso em: 06 mar. 2018.

MORENO, J. Brasileiros consomem menos álcool, mas seguem entre os que mais bebem na AL. 2015. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150723_alcool_americalatina_saude_pai>. Acesso em: 15 maio 2018.

MUSSE, A. B. Apologia ao uso e abuso de álcool entre universitários: uma análise de cartazes de propaganda de festas universitárias. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, Ribeirão Preto, v. 4, n. 1, p.1-13, fev. 2008. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/38667/41514>. Acesso em: 06 mar. 2018.

OLIVEIRA, M. S.; WERLANG, B. S. G.; WAGNER, M. F..Relação entre o consumo de álcool e hábitos paternos de ingestão alcoólica. Boletim de psicologia, São Paulo, v. 57, n. 127, p. 205-214, dez. 2007. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0006-59432007000200007&lng=pt&nrm=iso>. Acessos em 23 out. 2018.

PEDROSA, A. A. S. et al. Consumo de álcool entre estudantes universitários. Cadernos de Saúde Pública, Alagoas, v. 27, n. 8, p.1611-1621, ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011000800016>. Acesso em: 10 out. 2018.

PELICIOLI, M. et al. Perfil do consumo de álcool e prática do beber pesado episódico entre universitários brasileiros da área da saúde. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 66, n. 3, p.150-156, set. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-20852017000300150&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 31 out. 2018.

PIEDRAHITA, A. S.; VARGAS, B. P.; CULMA, L. A. R. Neurotoxicidad alcohólica. Revista Med, Bogotá, v. 25, n. 1, p.87-101, 25 jun. 2017. Universidad Militar Nueva Granada. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0121-52562017000100010&lang=pt>. Acesso em: 10 out. 2018.

Plan nacional sobre drogas. Encuesta domiciliaria sobre alcohol y drogas en España Encuesta domiciliaria sobre alcohol y drogas en España (EDADES), 1995-2007. 2007. Disponível em: <http://www.pnsd.msssi.gob.es/profesionales/sistemasInformacion/sistemaInformacion/pdf/Domiciliaria2007.pdf>. Acesso em: 19 mar. 2018.

RAMIS, T. R. et al. Tabagismo e consumo de álcool em estudantes universitários: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Epidemiologia, Pelotas, v. 15, n. 2, p.376-385, jun. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2012000200015>. Acesso em: 10 out. 2018.

SANTOS, M. V. F.; PEREIRA, D. S.; SIQUEIRA, M. M. Uso de álcool e tabaco entre estudantes de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Vitória, v. 62, n. 1, p.22-30, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0047-20852013000100004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 10 out. 2018.

TAPERT, S. F. et al. Adolescent substance use and sexual risk-taking behavior. Journal of Adolescent Health, [SI], v. 28, n. 3, p.181-189, mar. 2001. Disponível em: <https://www.jahonline.org/article/S1054-139X(00)00169-5/pdf>. Acesso em: 31/10/2018.

VAILLANT, G. E. The natural history of alcoholism revisited. Estados Unidos: Harvard University Press, 1995. 462 p.

VIALA-ARTIGUES, J.; MECHETTI, C. Histoire de l´alcool archéologie partie 1. 2003a. Disponível em: <http://www.alcoologie.org/documenta tion/article.php3?id_article=118> Acesso em 26 fev. 2018.

VIALA-ARTIGUES, J.; MECHETTI, C. Histoire de l´alcool les temps modernes partie 1. 2003b. Disponível em: <http://www.alcoologie.org/documentation/arti cle.php3?id_article=120>. Acesso em: 26 fev. 2018.

VIALA-ARTIGUES, J.; MECHETTI, C. Histoire de l´alcool les temps modernes partie 2. 2003c. Disponível em: <http://www.alcoologie.org/documentation/article.php3 ?id_article=121>. Acesso em: 26 fev. 2018.

VIEIRA, S. Bioestatística: tópicos avançados. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

WILLHELM, A. R. et al. Consumo de Álcool na Adolescência e Relação com Uso Excessivo de Bebidas Alcóolicas dos Pais: Estudantes de Quatro Escolas de Porto Alegre. Psico, Porto Alegre, v. 46, n. 2, p.208-216, 22 abr. 2015. EDIPUCRS. http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.2.18129. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5161582>. Acesso em: 10 out. 2018