Compreensão sobre a Adoção Por Casais Homoafetivos Segundo os Profissionais que Atuam Nesses Procedimentos: Um Estudo Exploratório

Main Article Content

Fábio de Carvalho Mastroianni
Gabriela Schmidt de Lima
Patrícia Cristina Rodrigues Mello
Thaluane Jaice Estrela Ferreira

Resumo

A legislação brasileira que regulariza a união estável e o casamento entre homossexuais é recente e questões relacionadas ao tema ainda geram discussões. O objetivo desta pesquisa foi explorar a compreensão de psicólogos e assistentes sociais que atuam em processos de adoção sobre essa nova possibilidade. Realizou-se uma pesquisa de cunho qualitativo junto a esses profissionais, utilizando-se um roteiro de entrevista semiestruturado, onde as respostas foram analisadas através da técnica denominada análise de conteúdo. A amostra foi composta por 7 (sete) indivíduos, todos do sexo feminino, com formação nas respectivas áreas. Mesmo não relatando experiência direta com a adoção por casal homoafetivo, as participantes descreveram situações em que se depararam com essa dinâmica de relacionamento em processos de outra natureza que não a adoção conjunta, permitindo explorar a compreensão delas sobre o assunto. Verifica-se que a adoção por si só já envolve mitos e preconceitos, mas as profissionais se sentem preparadas e satisfeitas em atuar nesses procedimentos. O mesmo, entretanto, não se observa com a adoção realizada por casais homoafetivos, tendo elas reconhecido a necessidade de maior preparo e reflexão para atuar nesses processos. Trata-se de um estudo exploratório que se limita a abordar um pequeno grupo de indivíduos do universo de profissionais que atuam nesses procedimentos. Embora não permita realizar considerações mais abrangentes, pretende apresentar subsídios para uma discussão inicial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Mastroianni, F. de C., Lima, G. S. de, Mello, P. C. R., & Ferreira, T. J. E. (2014). Compreensão sobre a Adoção Por Casais Homoafetivos Segundo os Profissionais que Atuam Nesses Procedimentos: Um Estudo Exploratório. Revista Brasileira Multidisciplinar - ReBraM, 17(1), 9-22. https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i1.1
Seção
Artigos Originais
Biografia do Autor

Fábio de Carvalho Mastroianni, Universitário de Araraquara – UNIARA, São Paulo.

Psicólogo judiciário do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
e professor do  curso de Psicologia e  de Direito do  Centro Universitário de Araraquara  – UNIARA.

Gabriela Schmidt de Lima, Universitário de Araraquara – UNIARA, São Paulo.

Psicóloga formada pelo Centro Universitário de Araraquara – UNIARA

Patrícia Cristina Rodrigues Mello, Universitário de Araraquara – UNIARA, São Paulo.

Psicóloga formada pelo Centro Universitário de Araraquara – UNIARA.

Thaluane Jaice Estrela Ferreira, Universitário de Araraquara – UNIARA, São Paulo.

Psicóloga formada pelo Centro Universitário de Araraquara – UNIARA.

Referências

AMAZONAS, M. C. L. A.; DAMASCENO, P. R.;TERTO, L. M. S.; SILVA, R. R. Arranjos familiares de crianças de camadas populares. Psicologia em Estudo, Maringá, v.8, n.esp, p. 11-20. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v8nspe/ v8nesa03.pdf>. Acesso em: 07 jul. 2014.

ARAÚJO, L. F.; OLIVEIRA, J. S. C.; SOUSA, V. C.; CASTANHA, A. R. Adoção de crianças por casais homoafetivos: um estudo comparativo entre universitários de Direito e de Psicologia. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v.19, n.2, p. 95-102,mai/ago.2007.Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2011.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa,Edições 70, 1977. 223 p.

BIERNACKI, P.; WALDORF, D. Snowball sampling: problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods and Research, London, v. 10, n.2, p. 141-163. 1981.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília:Senado,1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3% A7ao.htm>.Acesso em: 06 outubro 2011.

RAMOS, P. A. Acolhimento institucional de crianças e suas consequências. In: PAULO, B. M. (Coord.) Psicologia na Prática Jurídica: Acriança em foco. Rio de Janeiro: Impetus, 2009. p 79-90.

SALOMÉ, G. M.; ESPÓSITO, V. H. C.;

MORAES, A. L. H. O significado de família para casais homossexuais. Revista brasileira de enfermagem, Brasília, v. 60, n. 5, p. 559-563, set/ out. 2007. Disponívelem: <http://www.scielo.br/pdf/ reben/v60n5/v60n5a14.pdf>. Acesso em: 21 set.

SCHETTINI, S. S. M.; AMAZONAS, M. C. L.

A.; DIAS, C. M. S. B. Famílias adotivas: identidade e diferença. Psicologia em estudo, Maringá, v. 11,

n. 2, p. 285-293, mai/ago. 2006. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/pe/v11n2/v11n2a06.pdf>. Acesso em: 19 outubro 2011.

SILVA FILHO, A. M. Adoção: regime jurídico, requisitos, efeitos, inexistência, anulação. 2. ed. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2009. 333 p.

SILVA, D. M. P. Psicologia Jurídica no Processo Civil Brasileiro: a interface da psicologia com o direito nas questões de família e infância. Rio de Janeiro: Forense, 2009. 446 p.

SOUZA, H. P. Adoção: exercício da fertilidade afetiva. São Paulo: Paulinas, 2008. 224 p.

SOUZA, R. P.; MIRANDA, V. R. Adoção:

considerações histórico-sociais, psicológicas e jurídicas. In: CARVALHO, M. C. N.; MIRANDA, V. R. (Orgs.) Psicologia Jurídica: Temas de Aplicação I. Curitiba: Juruá, 2007. p 79-92.

STRAUSS, A. S.; CORBIN, J. Basics of

qualitative research: Techniques and procedures for developing grounded theory. 2ª ed., London, Sage Publications Editor, 1998. 336 p.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Pagina 2 do

Ofício nº 81/P-MC, de 9 de maio de 2001. Disponívelem: <http://direitohomoafetivo.com.br/ anexos/normatizacao/of%E Dcio_stf.pdf>. Acesso em: 15 jun. 012.

WEBER, L. N. D. O psicólogo e as práticas de adoção. In: GONÇALVES, H. S.; BRANDÃO, E.

P. (Orgs.). Psicologia Jurídica no Brasil. Rio de Janeiro: NAU Ed, 2004. p 99-140.

WEBER, L. N. D. Pais e filhos por adoção no Brasil: características, expectativas e sentimentos. Curitiba: Juruá, 2001. 283 p. v.1.