ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA TETRAPLEGIA

Naiara Ferreira Pereira Bastos, Vivian Escandola Cocolete, Ana Claudia Nunciato

Resumo


A lesão da medula espinhal é uma condição que causa impacto físico e social ao indivíduo, que acarreta profundas modificações na vida de seus portadores pela paraplegia ou tetraplegia resultante. O objetivo foi analisar as formas de reabilitação fisioterapêuticas em pacientes com tetraplegia após lesão medular traumática. Foi realizada uma revisão da literatura, através da utilização das bases dedados Medline, PubMed, Science Direct, Web of Science e SciELO, considerando o período entre de 2010 e 2015. O total de artigos encontrados foi de714, mas foram selecionados apenas 8artigos que preencheram os critérios de inclusão e exclusão. Esta revisão conclui que a estimulação elétrica, para a melhora da função da mão e para a manutenção do trofismo em membros inferiores, promove melhora funcional e da qualidade de vida. Além disso, os ambientes recompensadores e favoráveis podem prevenir a depressão e a presença da dor após a lesão medular, devido aos efeitos positivos da neuroplasticidade.


Palavras-chave


Tetraplegia; Reabilitação; Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, T.; BLANQUART, F. B.; CHAPELAIN, L. L.; FATTAL, C.; GOOSSENS, D.; ROME, J.; et al. Physical and rehabilitation medicine (PRM) care pathways: “Spinal cord injury”. Annals of Physical and Rehabilitation Medicine, Paris, v. 55, n. 6, set. 2012. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2015.

ANDRÉ, C.; FREITAS, G. R. Terapia intensiva em neurologia e neurocirurgia:métodos de monitorização e situações especiais. Rio de Janeiro: Revinter, 2002, 340p. ASSIS, R. D. Condutas Práticas em Fisioterapia Neurológica. Barueri: Manole, 2012, 416p.

BERTELLI, J. A.; GHIZONI, M. F.; TACCA, C. P. Transfer of the teres minor motor branch for triceps reinnervation in tetraplegia. J Neurosurg, Santa Catarina, v. 114, n. 5, mai. 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2015.

BINDER H. Chapter 35: Traumatic spinal cord injury. Handbook of Clinical Neurology, v. 110. Elsevier, 3rd, 2013. p. 411-426.

BOMBARDIER, C. H.; FANN, J. R.; TATE, D. G.; RICHARDS, J. S.; WILSON, C. S.; WARREN, A. M.; et al. An Exploration of Modifiable Risk Factors for Depression After Spinal Cord Injury: which Factors Should We Target?. Arch Phys Med Rehabil, v. 93, n. 5, mai. 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2015.

BRUGGEN, V. D. M. A.; HUISMAN, H. B.; BECKERMAN, H., BERTELSMANN F. W.; POLMAN, C. H.; LANKHORST, G. J. Randomized trial of 4-aminopyridine in patients with chronic incomplete spinal cord injury. J Neurol, v. 248, n. 8, ago. 2001. Disponível em: .Acesso em: 27 jun. 2016.

BVS - Ministério da Saúde - Diretrizes de atenção à pessoa com lesão medular. Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2014.

DEFINO, H. L. A. Trauma Raquimedular. Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: TRAUMA II, CAPÍTULO II, 32: 388-400, 1999.

DOLBOW, D. R.; GORGEY, A. S.; MOORE, J. R.; GATER, D. R. Report of practicability of a 6-month homebased functional electrical stimulation cycling program in an individual with tetraplegia. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 35, n. 3, mai. 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2016.

EL MASRY, W. S.; TSUBO, M.; KATOH, S.; EL MILIGUI, Y. H.; KHAN, A. Validation of the American Spinal Injury Association (ASIA) motor score and the National Acute Spinal Cord Injury Study (NASCIS) motor score. Spine, v. 21, n. 5, mar. 1996. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

ERIKS-HOOGLAND, I. E.; HOEKSTRA, T.; GROOT, S.; STUCKI, G.; POST, M. W.; WOUDE, L. H. Trajectories of musculoskeletal shoulder pain after spinal cord injury: identification and predictors. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 37, n. 3, mai. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2015.

HARRISON, D. E.; CAILLIET, R., HARRISON, D.D.; TROYANOVICH, S.J.; HARRISON, S.O.A review of biomechanics of the central nervous system--part II: spinal cord strains from postural loads. J Manipulative PhysiolTher, v. 22, n. 5, jun. 1999. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2012.

HARVEY, L. A.; DUNLOP, S. A.; CHURILOV, L.; HSUEH, Y. S. A.; GALEA, A. P. Early intensive hand rehabilitation after spinal cord injury (“Hands On”): a protocol for a randomised controlled trial. Trials journal, v. 12, n. 14, jan. 2011. Disponível em: . Acesso em: 08 dez. 2015.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2010.

JACOBS, P. L.; NASH, M. S. Exercise Recommendations for Individuals with Spinal Cord Injury. Sports Med, v. 34, n. 11, 2004. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

LUNDY-EKMAN, L. Neurociência: Fundamentos Para a Reabilitação. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. 477 p.

MCKINLEY, W. O.; GITTLER, M. S.; KIRSHBLUM, S. C.; STIENS, S. A.; GROAH, S. L. Spinal cord injury medicine. 2. Medical complications after spinal cord injury: Identification and management. Arch Phys Med Rehabil, v. 83, mar. 2002. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

MIGUEL, M.; KRAYCHETE, D. C. Dor no Paciente com Lesão Medular: uma revisão. Rev. Bras. Anestesiol, v. 59, n. 3, mai./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 dez. 2015.

NAS, K.; YAZMALAR, L.; ŞAH, V.; AYDIN, A.; ÖNEŞ, K. Rehabilitation of spinal cord injuries. World Journal of Orthopedics, v. 6, n. 1, jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 jun 2015.

RIENZO, F. D. I.; GUILLOT, A.; MATEO, S.;

DALIGAULT, S.; DELPUECH, C.; RODE, G.; et al. Neuroplasticity of prehensile neural networks after quadriplegia. Neuroscience, v. 22, n. 274, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 dez. 2015.

SADOWSKY, C. L.; HAMMOND, E. R.; STROHL, A. B.; COMMEAN, P. K.; EBY, S. A.; DAMIANO, D. L.; et al. Lower extremity functional electrical stimulation cycling promotes physical and functional recovery in chronic spinal cord injury. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 36, n. 6, nov. 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2016.

SILVA, N. A.; SOUSA, N.; REIS, R. L.; SALGADO, A. J. From basics to clinical: A comprehensive review on Spinal Cord Injury. Progress in Neurobiology, v. 114, mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Spinal cord injury, 2013.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2016.v19i1.375

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340