Sacarose, Suas Propriedades e os Novos Edulcorantes

Tatiana Monique Manhani, Maria Valéria M. Campos, Fulviane Pimentel Donati, Andréia De Haro Moreno

Resumo


O presente artigo tem como objetivo uma revisão da literatura sobre a sacarose, popularmente conhecida como açúcar de mesa; relatar como ela surgiu no Brasil e no mundo; discutir as diferenças entre a sacarose refinada e cristal; mostrar os malefícios do consumo excessivo; e relacionar seus principais edulcorantes. A sacarose surgiu há mais de 7 mil anos e desde então tem participado ativamente da criação de novas formas de consumo de alimentos, na construção de sociedades e nas relações sociais e políticas. Os carboidratos são a principal fonte de energia do organismo e, como eles se encontram presentes em diferentes alimentos, o seu consumo em excesso pode causar doenças como obesidade e diabetes. A quantidade de produtos industrializados com sacarose em sua composição é incontável e o consumo excessivo tem causado preocupação em toda a área médica no mundo inteiro. A fabricação do açúcar é um processo que envolve uma série de operações até a obtenção do produto final. A sacarose possui variados tipos, que estão disponíveis de acordo com a sua utilização (doméstica e industrial). Os edulcorantes apresentam ação adoçante, podendo substituir a sacarose. Alguns desses compostos, conhecidos como edulcorantes intensos, sendo utilizados em quantidades muito pequenas, são direcionados a pessoas que apresentam algum distúrbio no metabolismo de açúcares (diabéticos) ou consumidores que estão em busca de produtos alimentícios de baixo valor calórico.

Palavras-chave


Sacarose; Propriedades; Edulcorantes.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, E., SANTOS, J. O desenvolvimento da cultura da cana-de-açúcar no Brasil e sua relevância na economia nacional. Revista Científica Facider, n.4, set. 2013. Disponívelem: . Acesso em: 19 mar. 2014.

ACKERMANN, H. P. H. Secagem do açúcar.

Revista Opiniões, n. 6. p. 28. Out/Dez. 2005.

ASSUMPÇÃO M.H.M.T. et al. Desenvolvimento de umprocedimento biamperométrico para determinação de sacarina em produtos dietéticos. Química Nova, v. 31, n. 7, p. 1743-1746, ago.

A EVOLUÇÃO do Açúcar. Revista Aditivos e Ingredientes, n. 82, p.34-39, set. 2011.

BALBANI A.P.S.; STELZER L.B.; MONTIVANI

J.C.; Excipientes de medicamentos e as informações da bula, Rev. Bras. Otorrinolaringologia v. 72, n.3, p. 400-406, maio/jun. 2006.

BRANDÃO, A. Cana-de-açúcar: álcoole a açúcar na história e no desenvolvimento social do Brasil.

Brasília: Horizonte, 1985.

CARDOSO J.B.P.; BATTOCHIO J.R.;

CARDELLO H.M.A.B.; Equivalência de dulçor e poder edulcorante de edulcorantes emfunção da temperatura de consumo embebidas preparadas com chá-mate empó solúvel, Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 24, n. 3, p. 448-452, jul./set. 2004.

CASTRO, P.R.C.; KLUGE, R.A. (ed).

Ecofisiologia de culturas extrativas: cana-de- açúcar, seringueira, coqueiro, dendezeiro e oliveira. Cosmópolis: Ed. Stoller do Brasil. 2001. 138 p.

CASTRO A.G.P.; FRANCO L.J.; Caracterização do consumo de adoçantes alternativos e produtos dietéticos por indivíduos diabéticos, Arq. Bras.

Endocrinol. Metal., v. 46, n. 3, p. 280-287, jun.

CHEMELLO, E. A. Química na cozinha apresenta: o açúcar. Revista Eletrônica Zoom da Editora Cia da Escola. Ano 6, n. 4, 2005. Disponível em:

Acesso em: 08 mar. 2014

CONSELHO FEDERAL DAS

NUTRICIONISTAS. Saiba como identificar e evitar o açúcar nos rótulos dos alimentos. Mar. 2014. Disponívelem: Acesso em: 10 abr. 2014.

CRUZ, S. H. da.; SARTI, D. A. Aquímica do açúcar. Dez, 2011. Disponívelem: http:// crq4.org.br/?p=texto.php&c=quimicaviva_acucar> Acesso em: 10 abr. 2014.

DURÁN, Samuelet al. Niveles de ingesta diária de edulcorantes no nutritivo emescolares de la región de Valparaíso, Rev. Chil. Nutri., vol. 38, n. 4, dez. 2011.

FERNANDES A.G. et al. Avaliação sensorial de bebidas de goiaba adoçadas com diferentes agentes adoçantes, Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 29, n. 2, p. 358-364, abr./jun. 2009.

FRANCISCO JR, W. E. Carboidratos: estrutura, propriedades e funções. Química Nova na Escola, n. 29, ago. 2008.

GAINO, N. M.; SILVA, M. V. da. Consumo de frutose e impacto na saúde humana. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v. 18, n. 2, p. 88-98, jul. 2011.

GONÇALVES, R. G. M. Processo de Extração de Caldo por Moendas. Julho, 2013. Disponível em: Acesso em: 02 abr. 2014.

GOTOA.; CLEMENTE E.; Influência do rebaudiosídeo Ana solubilidade e no sabor do esteviosídeo, Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 18, n.1, jan./abr. 1998.

LEITÃO, M. F. F. Microbiologia de sucos e produtos ácidos. Boletim do Instituto de Tecnologia de Alimentos, Campinas, n.33, p. 9- 42, 1973.

LIMA, R. B. Processo de clarificação do caldo de cana- de- açúcar aplicando elétrons acelerados. 61 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, São Paulo, 2012.

MACHADO, L.A.; HABIB, M. Perspectivas e impactos da cultura de cana-de-açúcar no Brasil. 2009. Artigo em Hypertexto. Disponívelem: . Acesso em: 08 mar. 2014.

MEZAROBA, S.; MENEGUETTI, C. C.; GROFF,

A. M. Processos de produção do açúcar e os possíveis reaproveitamentos dos subprodutos e resíduos resultantes do sistema. In: ENCONTRO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL, 4. – FECILCAM. Campo Mourão, 17-19 nov. 2010.

MILAGRES M.P. et al. Análise físico química e sensorial de doce de leite produzido sem adição de sacarose. Rev. Ceres, v. 57, n. 4, p. 439-445, jul/ ago. 2010.

NOVACANA.COM. Processos de fabricação do etanol. Disponívelem: Acesso em: 02 abr. 2014.

OLÍMPIO, J. A. O açúcar do Brasil. Teresina, 2014. Disponívelem: Acesso em: 12 mar. 2014.

OLIVEIRA P.B.; FRANCO L.J.; Consumo de

adoçantes e produtos dietéticos por indivíduos com diabetes melito tipo 2, atendidos pelo Sistema Único de Saúde em Ribeirão Preto, S/P, Arq. Brás.

Endócrino. Metab., v. 54, n.5, p. 455-462, abr. 2010.

OETTERER, M. SARMENTO. S. B. S.

Propriedades dos açúcares. In: OETTERER, M.; BISMARA, M. A.; D'ARCE, R.; SPOTO, M. H. F.

Fundamentos de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Barueri: Ed. Manole, 2006. Cap. 4,

p.136 -145.

PÁDUA, J. A. O amargo avanço da doçura. Revista de História da Biblioteca Nacional, ano 8, n. 94, p.19-21, jul. 2013.

PIACENTE, F. J. Inovação e trajetórias tecnológicas: o caso dos dois sistemas para extração da sacarose no Brasil. 199 f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

PORTOGENTE – TRANSPORTE E LOGÍSTICA.

Do plantio à exportação de açúcar. Abril, 2006. Disponívelem: Acesso em: 02 abr. 2014.

RIBEIRO, E. P.; SERAVALLI, E. A. G. Química

de alimentos. São Paulo: Ed. Edgard Blücher: Instituto Mauá de Tecnologia, 2004. p.32.

ROSSETO, R. Acana-de-açúcar e a questão Ambiental. In: DINARDO-MIRANDA, L. L.; VASCONCELOS, A. C. M. de; ANDRADE

LANDELL, M. G. de. Cana-de-açúcar. Campinas:

Instituto Agronômico, 2008. p. 869-883.

SCHWARTZ, S. B. Como se cria um país. Revista de História da Biblioteca Nacional, ano 8, n.94, p. 22-25, jul. 2013.

SEaD /UFSCAR. Fluxograma do processo de produção do açúcar cristal. Disponívelem: Acesso em: 03 abr. 2014.

SILVA, D. PICCOLO. Estudo econômico do período de duração da safra de cana-de-açúcar na produção de açúcar e álcool para usinas de médio porte da região centro-sul do Brasil. 185f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia Mauá do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, São Caetano do Sul, 2007.

SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA

BRASILEIRA. Sal, açúcar e outros ingredientes do dia-a-dia. Jan., 2007. Disponívelem: Acesso em: 12 mar. 2014.

SOUZA, J. S. I. de. (Coord). Enciclopédia Agrícola Brasileira. São Paulo: Edusp. v. 1, 1995.

TAMBELLINI, C. A. Evaporação e Cozimento.

Revista Opiniões, n. 6, p. 26, out./dez. 2005.

TFOUNI, S. A.V.; VITORINO, S. H. P.;

TOLEDO, M. C. F. Efeito do processamento na contaminação da cana-de-açúcar e derivados por hidrocarbonetos policíclicos aromáticos. Ciência e

Tecnologia de Alimentos, v. 27, n.1, p.76-82, 2007.

THEODORO, A. D. Expansão da cana de açúcar no Brasil: ocupação da cobertura vegetal do cerrado. 62 p. Monografia (Graduação) – Faculdade de Tecnologia de Araçatuba, Araçatuba, 2011.

TORLONI M.R.; et al. O uso de adoçantes na gravidez: uma análise dos produtos disponíveis no Brasil, Rev. Brás. Ginecologia e Obstetrícia, v. 29, n. 5, p. 267-275, maio 2007.

TORRES, R. C. Estudo do processo de cristalização do açúcar: modelageme estratégias de controle. 122 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2007.

TOZETTOA.; DEMIATE I.M.; NAGATA N.;

Análise exploratória de adoçantes de mesa via espectroscopia do infravermelho (FTIR) e análise por componentes principais (ACP), Ciênc. Tecnol. Aliment. v. 27, n. 4, p. 723-728, out./dez. 2007.

YARAK, A. Açúcar: um grande vilão da saúde. Maio, 2012. Disponívelem: Acesso em: 15 mar. 2014.

ZANINI R.V.; ARAÚJO C.L.; MESAJ.M.;

Utilização de adoçantes dietéticos entre adultos em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil: um estudo de base populacional, Cad. Saúde Pública, v. 27, n.5, p. 924-934, maio 2011.




DOI: https://doi.org/10.25061/2527-2675/ReBraM/2014.v17i1.12

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira Multidisciplinar-ReBraM (e-ISSN: 2527-2675)

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340